sábado, 30 de outubro de 2010

A Geografia Feminina e Masculina

A Geografia Feminina

Até os 13 anos é como o Japão: Cheia de brinquedos
Entre 13 e 17 anos, a mulher é como a Antártida: Misteriosa e com quase todas as regiões ainda não exploradas.
Entre 18 e 25 anos, a mulher é como uma mina: todo mundo mete a pá.
Entre 26 e 35, a mulher é como a América do Norte: moderna, desenvolvida, civilizada e aberta a negociações em troca de muito dinheiro.
Entre 36 e 40, é como a Índia: muito quente, relaxada e consciente da sua própria beleza.
Entre 41 e 50, a mulher é como a França: envelhecida, mas ainda desejável de se visitar.
Entre 51 e 60, é como a Iugoslávia: perdeu a guerra, é atormentada por fantasmas do passado, mas se empenhando na reconstrução.
Entre 61 e 70, ela é como a Rússia: espaçosa, com fronteiras sem patrulha. A camada de neve oculta poucos tesouros.
Entre 71 e 80, a mulher é como a Mongólia: com um passado glorioso de conquistas, mas com poucas esperanças no futuro.
Depois dos 81, ela é como o Afeganistão: todos sabem onde está, mas ninguém quer ir até lá.

A Geografia Masculina

Entre 0 e 110 anos, o homem é como Cuba, governado por um só membro